• Patrícia Candoso

Sobe sobe balão sobe...


Até poderia ser um texto alusivo ao festival da canção, sempre acompanhei em criança e adorava brincar com as minhas bonecas fingindo que era a apresentadora do festival e também todos os concorrentes, elas eram somente o público. E cantava horas a fio todo o meu repertório fazendo do único comando de televisão o meu microfone. Mas não, não é um texto sobre o festival. Até porque já tanto se falou (bem e mal) que não há mais nada a dizer!

Sempre tive pânico de balões desde que me lembro, não sei porquê, nem a minha mãe sabe, e acreditem que a minha mãe sabe tudo. Sim balões! Os balões típicos de borracha no seu formato normal causam-me pânico. E quando digo isto normalmente as pessoas riem pela estranheza e o ridículo que é ter medo de balões. Pois é, mas eu tenho.

Convivo muito bem com os pequenos balões de água, balões de foil que até têm formas e formatos muito giros para festas, balões fininhos daqueles para moldar e até aqueles balões gigantes para voar. E quando digo que tenho pânico é mesmo pânico! Há uns anos atrás, a proximidade de balões provocava-me palpitações, respiração irregular e até suores frios. Estar num espaço fechado, mesmo que fosse amplo, com balões era impensável, o medo sufocava-me. O pior cenário era quando via uma criança a brincar com um balão, a probabilidade desse balão rebentar era toda e quando isso acontecia até chorava.

Mas o que podia fazer para combater esse medo? Agora depois de ser mãe penso: não posso privar a minha filha de brincar com balões, ou pior passar-lhe esse medo! Ouvi várias teorias e conselhos... Comecei por tentar enfrentá-lo.

Primeiro passo conviver com eles, os balões existem (e estão em todo o lado acreditem) eu existo vamos tentar dividir o mesmo espaço. Ao início foi difícil mas hoje já consigo ignorá-los desde que estejam quietinhos e sem crianças por perto. Já pesquisei sobre este medo estranho e tem nome: Globofobia, e divide-se em vários tipos de medo de balões, há pessoas que só de pensar em balões ficam em pânico.

Bom, o meu pânico é apenas ao tacto e ao som produzido pelo estouro do balão a rebentar. Há uns tempos percebi que os sintomas de medo que tenho são idênticos aos da ansiedade, por isso resolvi começar a fazer respirações calmas e profundas, contar até 10 ou 20, não manter contacto visual com os balões, e tem resultado! Há por aí cada medo! Mais alguém com globofobia? Contem-me os vosso medos mais bizarros!

#medos #balões #receios #desafios

133 visualizações

visitantes

Fica a par de todas as novidades

© 2017 Quero a minha mãe. Proudly created with Wix.com